Em busca dos Quilombos

Chegamos à pequena cidade num dia de quase-inverno. Quase dia, quase noite. As chuvas trouxeram frio, as águas trouxeram lama, o inverno chegando trouxe dias cinzentos.

Nossa missão é adentrar às matas e os sertões à busca dos antigos quilombos espalhados pelas serras que cercam a região. Estamos em um imenso vale. Horas de estrada e dias de caminhada à pé, cavalo, burro ou barco, seguindo pelas picadas abertas entre feridas de negros fugidos da escravidão e dos maus-tratos.

Chegamos à diminuta Iporanga, portal para as cavernas do Vale do Ribeira. E encontramos a cidade, com suas poucas luzes, parecendo sem vida. A noite caíra. O frio viera. As pessoas estavam escondidas. 

cidade-vazia

Entre penumbras e luzes, vimos mais que imaginamos. 

A cidade sem gente, as ruas sem carros, a noite sem ruídos, a igreja em reforma, sem um pároco para atender os cada vez mais poucos fieis.

Na praça da matriz, já um pouco escura, o som de longe se faz notar. E foi este som que fui seguir. A surpresa, foi encontrarmos a passagem da Bandeira do Divino Espírito Santo, indo de casa em casa, levada pelos mais crentes, mais persistentes. A pequena procissão segue as ruas indo de casa em casa pedindo prendas, doações, e orando e cantando pedindo as bênçãos para o lar, entre rezas e ladainhas.

bandeira-do-divino

O escuro e frio da noite, a gente pouca, os fotógrafos rodeando, não impediram a fé do povo em desejar aos demais, a todos, melhores dias nessa vida tão sofrida. Os quilombos, vamos visitar amanhã. Hoje vemos mais estes, que nasceram livres, mas que são descendentes de quilombos, muitos deles. E vamos atrás dos filhos quilombolas, que fugiram da escravidão para lugares tão distantes, e hoje, passado tanto tempo, ainda estão presos e condenados pelos crimes de seus captores.

Acompanhe aqui com a gente. Ainda vamos longe na selva e nas matas, ora seguindo trilhas, ora abrindo picadas. Vamos fotografar os quilombos e ouvir suas histórias.

Advertisements

Projeto Quilombos – Sementes da Liberdade

Projeto Quilombos – Sementes da Liberdade – Quilombos do Alto Ribeira.

O coletivo Clube dos Fotógrafos começou um projeto para fotografar os Quilombos do Alto Ribeira.

dsc_0716

Vamos focar nossa atenção nos Quilombos existentes no Alto do Ribeira, região do PETAR, e também no entorno do Rio Ribeira de Iguape.

A intenção é montar um portifólio, contar uma boa história e apresentar a patrocinadores, seja governo, associações, empresas, terceiro setor, órgãos públicos e privados, o resultado obtido através de imagens.dscn8214

Escolhemos a região concentrar grande número de Quilombos, a maioria ribeirinhos ao Rio Ribeira de Iguape, considerado um rio virgem por não ter barragens em sua extensão, ter peixes, e abrigar em sua rota grande número de cidades históricas, geografia única, com a mistura de fauna regional, flora exuberante e a grande concentração de cavernas.

As intenções do projeto são de registrar para preservar.

Os interessados podem acessar o PDF completo do projeto neste link:

https://drive.google.com/file/d/0B1890aETxi6GT1FGeVFwSTcxN1k/view?usp=sharing

Aceitamos imagens, textos, informações e colocaremos os créditos de cada contribuição.

dsc_0714

A contar ondas.

IMG_9985a40

Vou contar ondas do mar

Para me ajudar,

Para me ajudar a pensar.

Vou olhar ondas do mar

Só para ver o branco de seu espumar.

Vou lá, em alto mar,

Contar as vagas, as águas, os tons de azul.

Vou lá no verde mar,

Perder a cabeça até acalmar.

Vou lá, longe léguas,

Distante além de meu alcance,

Para perder o que não preciso para viver.

Vou lá para além-mar,

Para quem sabe me perder,

Quem sabe me encontrar.

Vou lá para o distante após o mar,

Porque o aqui me dói e não quero mais ficar.

Por isso sigo as águas que parecem verde ou azul sem fim,

Alcançar aquela cor que me falta aos olhos cinzentos.

Vou lá longe no grande mar, contar ondas até esquecer o que fui fazer.

E quem sabe me lembrar porque precisei ir tão longe para reconquistar.

Navegar, vagar, com vagar, devagar.

Até fazer brilhar em mim todo o verde, o azul, o sol do mar.

Queria poder acreditar

Que apenas parar e olhar o mar

Seria solução para tudo.

Pequenas Alegrias

E então acontece como má notícia, sem aviso, sem esperar.
Selecionado em um concurso e agora fazendo parte de uma mostra.
Aconteceu em 15/11/2014 – Há algo de bom em novembro.
Em votação do público, uma de minhas fotos foi selecionada para o 4° Salão Nacional de Arte Fotográfica de São Caetano do Sul.
O evento foi para um público selecionado. Aconteceu às 10h da manhã no Teatro Municipal de São Caetano, Teatro Santos Dumont, situado na Av. Goiás, 1111 e em seguida fomos à exposição, na mesma avenida, fomos visitar a Exposição Fotográfica, que ficará na Sala da Luz, andar térrero do Centro Digital, situado na mesma Av. Goiás, 950.

O evento se deu com Mestre de Cerimônias, iluminação profissional e muitos fotógrafos registrando tudo.
A mesa. cheia de medalhas e certificados. As fotos, impressas nos certificados, tudo em excelente acabamento.
Fiquei mesmo impressionado com o bom trabalho e o capricho.
Olha eu aí recebendo meu certificado e medalha. Agradecimento especial à Karina Carrasqueira, que estava mais empolgada que eu, e fez questão de vir do Rio de Janeiro para participar do evento e me dar os empurrões para ir até lá.

No local da exposição, a placa do concurso e do evento, com participação de entidades do governo e iniciativa privada.

Outra imagem que preciso creditar à Karina, valiosa companheira.

E Deus abençoe as mulheres.
A Karina não se contentou em apenas me dar os parabéns. Fez questão de vir do rio de Janeiro só para estar a meu lado no momento do evento. Fez isso por amor, porque comemorou, talvez ainda mais que eu uma pequena vitória, um gostinho bom.
Para mim, era a certeza de estar aprendendo e acertando, fazendo um trabalho bom, bem feito.
Para ela, era importante, era um momento de festa, era reconhecimento, vibração.
Assim é a Karina. Assim são as grandes mulheres. Não basta a elas parabenizar. Elas querem estar lá, participar, ver acontecer, apoiar. Que sentimento vivo!
Haviam imagens belíssimas na exposição, tanto que recomendo a todos a visita.
E a Karina soube reconhecer o bom trabalho dos demais, mas estava muito feliz por mim mesmo assim. Mesmo vendo que a imagem que escolheram não era a melhor, não era a mais bonita, mas era boa. Ela queria me mostrar mais do que eu podia perceber, o quanto aquilo era importante. Ela fez um excelente trabalho.
Recomendo a visita ao local e quem quiser saber mais e conhecer o Foto Clube, aqui está o link:
E finalmente, a imagem selecionada.
 Novamente, agradecimentos à namorada e incentivadora Karina Carrasqueira.

Selecionado!! – Selected!!

 logo_4salao_200px
Acabei de descobrir que uma ou mais fotos minhas foram selecionadas em um concurso que ocorrerá em 15/11 e estou ansioso pra saber qual foi.
http://www.abcclick.com.br/index1.asp?nm=InformacoesGerais&nip=PW7_&qm=p&ed=1&c=200&ter=apn76

Claro que rola uma premiação, mas o que mais que deixa contente é que estou no caminho certo. Estou aprendendo e melhorando.

Quem quiser aparecer, aqui tem endereço e mais informações.

I discovered right now one or more of my pictures was selected in a contest.
In the link, more informations about city, day and others.

Of course will be some prizes, but for now I am happy because I am learning and doing right.